(Português do Brasil) Assistência Estudantil e Centros Acadêmicos da UFSC Curitibanos promovem Ciclos de rodas de conversa

09/07/2020 12:12

Sorry, this entry is only available in Brazilian Portuguese. For the sake of viewer convenience, the content is shown below in the alternative language. You may click the link to switch the active language.

Com o lema “Universidade, Subjetividade e Sociedade”, Centros Acadêmicos e a Assistência Estudantil da UFSC Curitibanos, promoverão ciclos de rodas de conversa destinados a comunidade acadêmica e a comunidade. Estes encontros acontecerão nos dias: 15 e 29 de Julho, e 12 de Agosto, sempre às 20:00h, através de plataforma virtual.

Inscrição:

Para os interessados em participar, acompanhem as redes sociais da UFSC Curitibanos para obterem o link da plataforma, e para aqueles que têm interesse em também receber o certificado de participação, acessem: http://assistenciaestudantil.curitibanos.ufsc.br/2868-2/ e preencham o formulário. Contato:

Programação:

  • Vidas LGBTQIA+ na Universidade e na Cidade

15 de Julho de 2020, às 20:00h

Debatedoras:

Mariana Franco: Estudante de Serviço Social na UFSC Florianópolis. Conselheira  Estadual no Conselho Estadual dos Direitos  das Mulheres. Conselheira Nacional no Comitê de Prevenção e Combate à Tortura. Participa também da União Nacional LGBT e da União Brasileira de Mulheres.

Karoline Pires: Estudante de Engenharia Florestal da UFSC Curitibanos.

Mediação: Lucas de Paula Pereira (Estudante de Med. Veterinária da UFSC Curitibanos).

  •  Racismo na Universidade e na Cidade

29 de Julho de 2020, às 20:00h

Debatedoras:

Joana Celia dos Passos: Doutorado em Educação pela Universidade Federal de Santa Catarina com pós-doutorado em Sociologia Política. É professora no Centro de Ciências da Educação da UFSC e nos Programas de Pós Graduação em Educação e Interdisciplinar de Ciências Humanas. Desenvolve pesquisas em Educação e Relações Raciais e ações afirmativas, com o foco na população negra.

Gloria Regina Botelho: Professora de Microbiologia Agrícola do Curso de Agronomia e de Engenharia Florestal da UFSC Curitibanos. É doutora em Biotecnologia Vegetal na UFRJ e especializada em microbiologia do solo e interações microganismos-plantas.

Mediação: Karime Limeira (Estudante de Engenharia Florestal da UFSC Curitibanos) e Vanusa Klüger (Estudante de Med. Veterinária da UFSC Curitibanos).

  • Saúde mental, Pandemia e Educação

12 de Agosto de 2020, às 20:00h

Lucas Emmanoel: Psicanalista, psicólogo educacional da UFSC Curitibanos e mestre em Psicanálise: Clínica e Cultura pela PUC-RIO.

Zilma Isabel Peixer: Professora da UFSC de Curitibanos. Doutora em Ciências Sociais pela PUC-SP. E Pós-doutora em Educação pela UFSC.

Mediação: Samyra Coratoo (Estudante de Agronomia da UFSC Curitibanos)

Assim, esses encontros, que emergiram do movimento dos estudantes da UFSC Curitibanos e tem o apoio da Assistência Estudantil, pretendem abarcar as reflexões sobre a Universidade, como um espaço de produção de conhecimento científico, formação e intervenção social; as subjetividades dos sujeitos que são produzidas na especificidade da Universidade e na Sociedade; e a Sociedade que na sua atualidade tem ameaçado os princípios de democracia pondo em risco a própria educação pública.

Pisando firme no chão do Brasil, nesta terra do Contestado, esse projeto será esteticamente acompanhado pela obra: “Ciranda cabocla” da artista Manih – de Videira-SC. Esta arte é política na medida em que alude para a história da luta dos caboclos e caboclas do Contestado pelo direito a terra e à vida. Esta obra revela e exalta a ética da justiça social que se apresenta na ciranda na qual todos e todas, sem nenhuma distinção, participam e celebram a vida. Lucas Emannoel, um dos organizadores do projeto, afirma que “Em tempos de pandemia, de devastação da vida e da intensificação da desigualdade social, uma educação que não questiona essas realidades torna-se reprodutora da própria antidemocracia.”

Os organizadores convidam a todos os interessados e interessadas nos temas para refletirmos e produzirmos formas de vidas mais democráticas.